Radiologia Oral e Maxilofacial

A Odontologia é dependente da Radiologia em todas as especialidades. Existem inúmeras condições cujos diagnósticos requerem exames radiográficos. Existem muitos tipos de aparelhos para realizar variadas radiografias, para satisfazer a inúmeras situações, desde pequenas radiografias para visualizar um único dente, até radiografias maiores, permitindo a visualização da face inteira. A radiografia será solicitada/realizada apenas quando for indispensável, de forma a não expor o paciente à radiação desnecessária, que, embora seja muito pequena, inclusive menor que a radiação ambiental, não é desprezível. Cada tipo de radiografia oral e maxilofacial possui uma indicação específica, e um tipo não substitui o outro.

 As principais indicações são:

 

  • Diagnóstico de cáries ou infiltrações;

 

  • Diagnóstico de patologias endodônticas (tratamento de canal);

 

  • Diagnóstico e acompanhamento de doença periodontal;

 

  • Visualização de dentes inclusos;

 

  • Visualização de fraturas dentárias;

 

  • Visualização de fraturas ósseas;

 

  • Visualização de patologias orais, como cistos ósseos, cálculos glandulares, dentre outras;

 

  • Planejamento ortodôntico;

 

  • Planejamento de reabilitação protética;

 

  • Planejamento de colocação de implantes;

 

  • Planejamento de cirurgias em geral.

 

 

Como funciona?

A radiografia é o registro fotográfico de uma imagem produzida pela passagem de uma fonte de raios-x através de um objeto. A imagem final pode ser descrita com uma imagem bidimensional composta de preto, de branco e de uma variedade de tons de cinza sobrepostos, dependendo, dentre outros fatores, da densidade do objeto. De uma maneira geral, as estruturas mais calcificadas são mais densas e radiopacas, ou seja, têm a imagem mais branca. Por isso é o exame de escolha para visualizar dentes e ossos. Já as estruturas menos calcificadas são mais radiolúcidas, ou seja, têm a cor mais escura. Patologias como por exemplo cistos intraósseos e cáries dentárias possuem imagem radiolúcida.

 Os principais tipos de radiografia são:

  • Radiografia periapical: É utilizado um pequeno filme, posicionado dentro da boca (intraoral), com um aparelho específico, visando à obtenção de uma imagem de um único dente, ou de uma pequena área da boca. Em geral, quando o cirurgião-dentista necessita de pequena quantidade de radiografias periapicais, ele mesmo realiza no consultório. Um exame periapical completo compreende um conjunto de oito radiografias periapicais de cada arcada, e costuma ser solicitado a clínicas radiológicas.

radiografia periapical da arcada superior.

radiografia periapical da arcada superior.

 

  • Radiografia interproximal ou bite-wing: O filme é o mesmo da periapical, com o mesmo aparelho. Este filme é deitado, e posicionado entre os dentes posteriores, permitindo a visualização das coroas das arcadas superior e inferior simultaneamente.

Uma radiografia interproximal, permitindo a vusualização das coroas de ambas as arcadas.

 

 

  • Radiografia oclusal: O aparelho é o mesmo das periapicais, mas o filme é ligeiramente maior. Tem como objetivo visualizar a arcada superior ou a inferior separadamente.

Radiografias oclusais inferior e superior, respectivamente.

  • Radiografia panorâmica: Usa-se um filme grande, desta vez por fora da boca (extraoral) num aparelho que gira em torno da cabeça do paciente. O objetivo é visualizar os ossos maxila e mandíbula, juntamente com suas estruturas adjacentes, como órbitas, seios maxilares, fossa nasal e articulações têmporo-mandibulares. Diferentemente das radiografias intrabucais, as radiografias panorâmicas não revelam com clareza pequenas lesões como cárie, perda óssea, e aumento do espaço periodontal, sendo mais indicadas para uma visão geral.

Radiografia panorâmica.

  • Radiografia cefalométrica: Também requer um filme grande, num aparelho próprio, com o paciente de perfil. Obtém-se uma imagem do crânio com visão lateral. É pré-requisito para a avaliação para tratamento ortodôntico, permitindo análise dos ângulos e distâncias estratégicas das estruturas ósseas e dentárias envolvidas. Na maior parte das vezes, é realizado o traçado cefalométrico, onde estas medições são feitas.

Radiografia cefalométrica com traçado cefalométrico.

  • Outras: Existem, ainda, outros tipos de radiografias extraorais para ossos do crânio, úteis para visualizar fraturas ou outras patologias, porém são mais realizadas em ambiente hospitalar, com mais frequência em serviços de emergência.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *